Programa de Estabilidade 2018-2022

[Recurso eletrónico] "O Programa de Estabilidade (PE) 2018-2022 assume a continuidade da estratégia de política económica e orçamental definida no Programa do Governo e da orientação reformista estabelecida no Programa Nacional de Reformas (PNR). Os planos aí traçados, que visavam garantir a previsibilidade e a coerência das políticas públicas tendo em vista o fomento de um crescimento económico inclusivo, com coesão social e consolidação sustentável das contas públicas, estão a produzir os resultados desejados. Através da implementação PNR e da prossecução de uma gestão rigorosa e prudente da despesa pública, capaz de responder de forma flexível e efetiva às alterações do ambiente macroeconómico, Portugal alcança o objetivo de redução da dívida com e um crescimento económico alargado e sustentável. O PE 2018-2022 prossegue uma estratégia com resultados comprovados no dinamismo atual da economia e na trajetória sólida de reequilíbrio das finanças públicas, tratando com respeito as gerações futuras." [Retirado do Sumário Executivo do "Programa de Estabilidade 2018-2022". Ministério das Finanças. Abril de 2018.]

O seguinte documento insere-se no grupo F dedicado ao tema da Europa, na estrutura de organização dada pelo doador (Miguel Cadilhe).

Existência de versão com notas do doador, em acesso restrito, sendo necessário requerer previamente a sua consulta.

Tipo de ficheiro: www
Categorias: Espólio Dr. Miguel Cadilhe
Etiquetas: 4.4 Planeamento sustentável, 4.9 Planeamento para o desenvolvimento económico
Autor: Ministério das Finanças
Scroll to Top

Concatedral de Miranda do Douro

A Catedral de Miranda do Douro surge no decurso da criação da Diocese em Miranda do Douro e respetiva elevação da vila a cidade no ano de 1545. O projeto insere-se na tipologia de Sés mandadas construir por D. João III, cujo investimento se reflete na escala da edificação, que se destaca entre a restante malha urbana. Com traça de Gonçalo de Torralva e Miguel de Arruda, as obras tiveram início em 1552. Deste período chegou ao presente o corpo da igreja, pelo que a fachada que hoje observamos resulta de uma campanha construtiva posterior. Classificada como Monumento Nacional desde 1910, é o símbolo maior de Miranda do Douro.